Um blog escrito por três mulheres, funciona como espaço para catarse, debate e exposição de pensamentos soltos.

.posts recentes

. Pó vivo!

. As duas Casuarinas - Cont...

. As duas casuarinas

. Isso não importa

. Profecia Familiar - Bem q...

. Noticia de ultima hora - ...

. Tai

. Romantismo masculino/Toda...

. Ser inebriante portuga

. Quem tem uma Tia assim nã...

.arquivos

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

Quarta-feira, 28 de Fevereiro de 2007

Lucky-Luck e a Trota Selvagem

Ele dissertou sobre a sua habilidade como amante. Durante horas discorreu sobre a sua magia única, de como era um exímio conhecedor do corpo feminino, entendido nos seus segredos e meandros crípticos, basicamente tinha acrescentado alguns largos capítulos ao Kamasutra.

Depois deitaram-se, e ele revelou que na realidade era um herói, mais concretamente de banda desenhada, um autentico Lucky-Luck - disparando mais rápido que a sua própria sombra, por momentos ela era Trota Selvagem (o índio pouco impassível) das histórias do cowboy.

Maria João F.

publicado por mulheresforadehoras às 13:06
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2007

Manhã de chuva

Bastou um seu sorriso,

Numa manhã de chuva,

P'ra os anos que passaram

Deixarem de contar

E ela sentir, de novo,

Entre surpresa e confusa,

A beleza única do seu profundo olhar.

 

Não há um amanhã

Nem mesmo um nunca mais,

O que foi impossível

O tempo sublimou.

Mas do seu sorriso lindo,

A chuva é testemunha

Da marca invisível

Que p'ra sempre ficou!

 

Zelian

sinto-me: (estupidamente?)nostálgica
música: Et si tu n'existais pas - Que piroseira
publicado por mulheresforadehoras às 21:48
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Margaret Mead incauta - Estudo semi antropológico acerca da prostituição

Entrou numa casa de estilo colonial acompanhada por duas amigas. Elas por magia desapareceram, ela quedou sentada numa mesinha a beber chá servido em cantão bago de arroz. Na sua frente uma janela enorme, de lá assomou o rio das pérolas e juncos coloridos o atravessando, olhando à sua volta viu o que lhe pareciam ser pequenitas salas num nível ligeiramente superior ao solo, o interior das mesmas encontrava-se velado por esvoaçantes cortinados coloridos, de relance constatou que o chão desses pequenos habitáculos era feito de acetinados colchões vermelhos, volta e meia de lá cabeças espreitavam e ela os cumprimentava simpaticamente.

A paisagem era um assombro, o cheiro a incenso inebriante, a beleza daquele lugar era absolutamente mágico.

Sentia-se radiante, finalmente estava a dar grandes passos no conhecimento da cultura Oriental, qual Margaret Mead encontrava-se ali no meio deles, no seu habitat natural, absolutamente iniciatica na arte da antropologia. Uns indígenas sentaram-se junto dela, tentou manter uma conversa, mas o handicap da língua lhe pareceu brutal, constatou que aquele povo afável tentava colmatar o deficit linguístico com o toque, achou curioso e tirou notas.

 Mais tarde descobriu que aquela era uma casa de prostituição, optou por sociologia, seguramente psicologia não era o seu forte.

Maria João F.

publicado por mulheresforadehoras às 17:21
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2007

Pigmalião e a sua Galatéia

Passados muitos e muitos anos reencontraram-se. Ela tinha vaticinado que ele viria a ser sociólogo, psicólogo ou antropólogo, enganara-se era engenheiro, sorria menos e tinha um olhar triste. Mantivera-se igual, nem uma ruga ou um cabelo branco para marcarem o passar dos anos, como de resto é cisma nos orientais. Foi em Macau que o conheceu, tinha no sangue uma mistura bem aventurada, era de natureza tímida e reservada, possuía um sorriso aberto com dentes certinhos. Achara-o bom demais para ela e em bom abono da verdade o era seguramente. Deixara um namorado em Portugal, um surfista cheio de pinta e muita parafina na cabeça, prometera esperar por ele durante um ano, com a humidade do ar a rondar os 88% tal rapidamente caiu no esquecimento, já na altura ela tinha queda para pecadora e por conta dos seus olhos rasgados e jeito brando por ele se apaixonou.

Ele apresentou-lhe Palalagui, Saint Exupéry, Desmond Morris, ela deu-lhe pouco em troca; a sua fixação adolescente por David Bowie, poemas de Florbela Espanca declamados com maneirismos trágicos e a sua recente conquistada lealdade de eterna raposa.

Pelos olhos do Chefe da tribo Tiavea de Tuiane, e munidos de instrumentos teóricos de zoologia passearam pelas ilhas da Taipa e Cloane. Mochilas às costas calcorrearam ruas, templos, espreitaram por entre portas. Riam muito e tinham pouco siso, eram papa-léguas, o mundo os intrigava.

Ela foi para a área das ciências sociais, colecciona desde então pedrinhas para marcar datas importantes, espreita sempre as portas entreabertas, é uma cusca militante, presta culto a vários deuses e tudo, tudo graças a ele.

Pena, que volvidos anos, ele seja engenheiro e sorria menos e tenha um olhar triste. Pena que Pigmalião não reconheça a sua Galatéia.

Maria João F.

 

publicado por mulheresforadehoras às 15:04
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2007

Mascaras

Armada em chica esperta,
Aproveitei o Carnaval para fazer auto-analise,

Dispensei o psicoterapeuta, era caro demais,

Mandei ao diabo que carregue o psicanalista, era lento demais,

Chamei a empreitada às minhas mãos,

Optei pela psicologia selvagem,

Deitei-me no sofá, de barriga para cima,

Coloquei velas para criar o ambiente certo, na esperança de me ver melhor à media luz,
Bombardeei-me com perguntas assaz pertinentes,

Desci à minha infância, trepei até à adolescência, deambulei na idade adulta,

Dissequei o complexo de Electra, o de superioridade, inferioridade, fui as falhas narcísicas, relembrei sonhos e pesadelos, marrei a sério nos paradigmas, fui buscar livros para me apoiar,

Quis chegar a conclusões redondas, ter insights poderosos, entender-me,
Espremi-me, analisei-me, torturei-me, contorci-me,
Vi-me de todos os prismas, de frente e em perfil, de dentro para fora, no espelho, de cabeça para baixo, de cima para baixo, em cambalhota, flique-flaque e de pino,
Foi metódica, comecei por ser cognitiva, segui o velhote Freud,
Depois perdi-me nas deambulações coloridas do alucinado Jung,

Por fim remei para terras mais firmes, rendi-me ao positivismo, estava almareada e tinha pressa,

Em desespero de causa recorri a conhecimentos paralelos, li as linhas da palma da minha mão, as da direita não são iguais às da esquerda, não ajudou,

Lancei o tarot de Marselha, saíram como cartas o louco, enforcado e a torre, fiquei na mesma,

Moída, irritada, furiosa, foi buscar um copo de Whisky e fiz um pouco de yoga aprendida na TV,

Tinha a esperança que ambos me abrissem o espírito,
Como não estou habitada nem ao alcool nem às artes orientais,
Fiquei com dores de cabeças e de coluna,

Considerei tomar 1 miligrama de xanax, socian também foi equacionado, optei por Brufen em pó (é de efeito mais rápido),
Apesar da quadra ser propicia, as mascaras não caíram,

Conclusão se calhar virei um cabeçudo e ainda não dei por isso, ou provavemente as mascaras e Eu já formamos um só.

Maria João F.

publicado por mulheresforadehoras às 12:19
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Segunda-feira, 19 de Fevereiro de 2007

Elogio ao amor por Miguel Esteves Cardoso

Quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há...

Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo?...

Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. ama-se alguém. Por muito longe, por muito dificil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos.

 Ana

publicado por mulheresforadehoras às 16:15
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 16 de Fevereiro de 2007

Encadeamento - Revivalismo II

Se bem me lembro ele era barra em matemática, o pior aluno em religião e moral, queria ser futebolista quando fosse grande e tinha uns cabelos castanhos do além. Carlos de nome. Estava perdidamente apaixonada pelos seus cabelos, daquela cor impensável, sonhava em afagá-los todas as noites, perdia o sono a pensar neles, adormecia arquitectando estratégias diabólicas para o efeito. Na sala de aula, retirei um pequeno espelho, com os deditos joguei com a luz do sol, fiz sabiamente a luminosidade incidir neles. Quando me deleitava com o feito, absolutamente absorta naquela habilidade magnífica, ele se virou e me descobriu, intuindo as minhas intenções sorriu, baixei os olhos confessando a manha. Nessa manhã andamos de mãos dadas.

Os meus começos eram sempre assim, mágicos, simples e com luzes à mistura.

 

Maria João F.

 

 
publicado por mulheresforadehoras às 14:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 15 de Fevereiro de 2007

A meu favor - Revivalismo I

Em pleno Inverno, a brisa do vento levantava a areia da praia, o mar vestira-se de verde-escuro, o céu cor de chumbo prometia chuva. Miúdos brincavam à apanhada no areal. Ela olhou para ele e fixou-o, mãos nas ancas sorriu em despique, cabriolada correu para dentro de água, o miúdo sem vacilar seguiu-a, fintou-o rindo, galgaram as ondas, finalmente deixou-se agarrar, em desequilíbrio mergulharam por entre a espuma, submergiram abraçados um ao outro, enlaçados pelo mar, cabelos em completo desalinho, sabor gostoso salgado na boca, gargalhadas inocentes, olhares encharcados de conivência.  

 

Anos volvidos a meu favor

Tenho o verde secreto dos seus olhos de algas marinhas

O nosso riso fresco

A tua mão compondo o desalinho dos meus cabelos molhados

O tapete das ondas em dia de levante

O abraço redondo

A inocência abençoada pela água do mar

O refúgio de uma memoria sagrada

Tenho tanto tanto tanto

 

Maria João F.

publicado por mulheresforadehoras às 14:12
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 14 de Fevereiro de 2007

Galochas vermelhas

A poça era lamacenta, um palmo de água, musgo e barro à mistura. Perante tal obstáculo instintivamente pensou em contorná-lo. Lembrou-se de quando era menina, que o seu percurso para a escola era o da rota das poças. Saltava de uma para a outra numa alegria genuína, para esse efeito ataviava-se em casa, indo previamente guarnecida de umas lindas galochas vermelhas. Estava disposta a recuperar os antigos prazeres, os mais minúsculos, os mais autênticos, os verdadeiros. Um a um eles voltariam a ser dela, nem que os tivesse que recuperar ao Marraquexe da memória. Olhou para os lados para verificar que estava só, não queria ninguém a presenciar um resgate tão íntimo. Literalmente pôs os pés na poça, primeiro devagarinho saboreando o momento, sentiu os sons gostosos do chapinhar do barro, sacudiu a água para longe em pontapés pequeninos, desenhou círculos com as botas, andou de um lado para o outro de olhos fechados. Satisfeita, olhou para o resultado, botas enlameadas e vestido salpicado, faltava mais algum desalinho para a tarefa se dar como completa, mas para principio não estava mal. Marcou novo encontro com a poça, amanhã depois do almoço, talvez as coisas corressem melhor da próxima vez - era urgente comprar novas galochas.

Maria João F.

 

publicado por mulheresforadehoras às 15:56
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 12 de Fevereiro de 2007

Sob o chuveiro amar - Curso Básico Part I


Sobre a égide da água, apresento este belíssimo poema de Carlos Drummond de Andrade (ou Carlitos, somos intimos numa realidade paralela).

O faço na esperança de dar ideias ao pessoal menos criativo no que toca ao erotismo - Deus sabe como existem pessoas parcas nestas lides (nabos para ser mais exacta), e pouco dadas a este tipo de actividades lúdicas, a triste realidade é que existem analfabetos na arte de amar.

Aviso desde já que a execução do mesmo exige preparação física, espero que ninguém se estatele, e depois venha a acusar este pacifico blog de ter ideias subversivas.

 Sob o chuveiro amar

Sob o chuveiro amar, sabão e beijos,
ou na banheira amar, de água vestidos,
amor escorregante, foge, prende-se,
torna a fugir, água nos olhos, bocas,
dança, navegação, mergulho, chuva,
essa espuma nos ventres, a brancura
triangular do sexo -- é água, esperma,
é amor se esvaindo, ou nos tornamos fontes?

Carlos Drummond de Andrade

Material didáctico: Chuveiro, banheira, água e sabão.

Maria João F.

 

 


publicado por mulheresforadehoras às 15:06
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

.Contador

Condos
Cell Phone Family Plans
blogs SAPO

.subscrever feeds