Um blog escrito por três mulheres, funciona como espaço para catarse, debate e exposição de pensamentos soltos.

.posts recentes

. Pó vivo!

. As duas Casuarinas - Cont...

. As duas casuarinas

. Isso não importa

. Profecia Familiar - Bem q...

. Noticia de ultima hora - ...

. Tai

. Romantismo masculino/Toda...

. Ser inebriante portuga

. Quem tem uma Tia assim nã...

.arquivos

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

Quinta-feira, 31 de Maio de 2007

Greve Geral

Os olhos ardem-me, tenho-os estrategicamente semicerrados, encontro-me camuflada por detrás de uns óculos escuros medonhos, as cores parecem todas histéricas, raivosas, ferem-me a vista. Os cheiros vestiram-se de um adocicado enjoativo que tresanda, as narinas encontram-se dilatadas em estado de sítio. Os sons, mesmo os mais ínfimos ecoam na minha cabeça, como se de uma caixa de ressonância se tratasse, ampliando a enxaqueca de forma insustentável. Exausta comprimo as têmporas mas de nada serve. Apetece-me mandar calar o chefe com a sua vozinha esganiçada de galo capão, cortar com uma tesoura a gravata espalhafatosa, mandar tomar banho à bafienta da colega, que fede a cânfora. Tomo comprimidos ao ritmo de smartis, qual alquimista louca procuro a mistura certa, não ligo à bula, não quero saber dos efeitos secundários, das combinações proibidas e das doses excessivas. Baixo a cabeça, cerro os olhos e fecho com as mãos os ouvidos, deito a cabeça na secretaria, hoje estou de greve geral.

Maria João

 

Comentário do meu filho ao ler este texto:

Mãe não é caixa de ressonância é caixa magnética, e se o teu Chefe lê isto estás tramada.

O rapaz é sábio.

publicado por mulheresforadehoras às 11:14
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Maio de 2007

O homem asterisco cadente

Na realidade, a ele não lhe foi dado estatuto de gente, a prova disso é que o número de telefone dele gravado na agenda do seu telemóvel foi sabiamente sinalizado com um asterisco, ladeando-o estava o homem reticências e o dois pontinhos, mais dois casos que não se consubstanciaram em forma humana e que seriam anulados sem custo quando ela fizesse um upgrade de dados.

Maria João

publicado por mulheresforadehoras às 22:35
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 24 de Maio de 2007

Sarar

Magnânimo como o Papa João Paulo 2º, que em tempos pediu perdão pela Inquisição. Ele acometido do mesmo carácter conciliador, sentindo-se genuinamente culpado pelos erros de outros homens que tinham outrora cruzado o caminho dela, pediu enfaticamente sentidas desculpas em nome deles.

Ela aceitou o dom curativo do pedido, não questionou a legitimidade do gesto, investiu-o desse poder e com um suspiro profundo sentiu-se justiçada.  

O que sucedeu a seguir não interessa, se ouve mãos dadas, beijos trocados, se rolaram pelo chão inventando uma nova religião. Que adianta se era amor, amado, amante, certamente amigo ou apenas algo congeminado. O que conta é que ele tinha o dom curativo e a conciliou com o passado.

Não era suposto que ao perdão ele acrescenta-se novas culpas, não era suposto...

 

Maria João

publicado por mulheresforadehoras às 16:39
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 21 de Maio de 2007

Mouro na costa versus deambulações filosóficas

- Podemos passar anos sem viver em absoluto, e de pronto toda a nossa vida se concentra num só instante.

- Bonito, muito poético, estou a ver, mais um caso de Mouro na costa, quem é ele?

 - Não gozes, estou a falar de insighs profundos, de zénites e vórtices.

- Pois, pois...deixa-te de histórias e desbronca-te lá. Quem é o artista?

- Caramba que visão reducionista, foi um momento de iluminação interior.

- Aí amiga, estou a ver, foi mas é um bruto de um flechasso. Deixa-te de tretas, quero saber todo os detalhes acerca do Don Juan de pacotilha.

- Uma pessoa já não pode ter uma reflexão puramente filosófica?

 

 

 

Woman: Do you believe in love at first sight?
Mae West: I don't know but it saves an awful lot of time.
— Mae West, Night After Night

 

 Maria João

publicado por mulheresforadehoras às 13:06
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 19 de Maio de 2007

Kali

- Todos nós somos incompletos – disse o Sábio. – Todos somos divisão, fragmentos, sombras, fantasmas sem consciência. Todos julgámos chorar e exultar desde há séculos e séculos.
- Fui deusa no céu de Indra – disse a cortesã.
- E não estavas mais livre do encadeamento das coisas, nem o teu corpo de diamante mais protegido do infortúnio que o teu corpo de lama e carne. Quiçá, mulher sem fortuna que eras desonrada pelas estradas estejas mais perto de aceder ao que é sem forma.
- Estou cansada – gemeu a deusa.
Então, tocando com a ponta dos dedos nas negras tranças sujas de cinza:
- O desejo instrui-te sobre a inanidade do desejo – disse ele; - e a pena que sentes ensina-te que não vale a pena ter pena.
Fabuloso excerto dos Contos Orientais – Kali decapitada de Marguerite Youcenar, dedicado ao dia em que assimilei a complicada lição de que não vale a pena ter pena, pelo tanto devo estar a uns passos de atingir o nirvana.
 
Maria João
publicado por mulheresforadehoras às 03:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Dama-da-aldeia-das-flores-que-caem

Ébrio de tristeza, deixou tombar a cabeça no travesseiro duro. A Dama-da-aldeia-das-flores-que-caem inclinou-se para ele e murmurou tremurosa:

- Não havia acaso em teu palácio outra mulher, cujo nome não pronunciaste? Uma mulher meiga? Uma mulher chamada Dama-da-aldeia-das-flores-que-caem? Ai, recorda-te...

Mas já os traços do príncipe Genghi haviam conquistado aquela serenidade que só aos mortos é reservada.

(...)

O único nome que Genghi esquecera era precisamente o dela.  

A proposito do esquecimento, daquele encontro raro como estrelas em noite de chuva, cegueira, da sombra e do não Ser, trouxe para este espaço este pequeno excerto de Marguerite Yourcenar dos Contos Orientais - O último amor do príncipe Genghi.

Maria João

publicado por mulheresforadehoras às 02:00
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quarta-feira, 16 de Maio de 2007

Ipsis Verbis - Quem me leva os meus fantasmas

Aquele era o tempo em que as mãos se fechavam
E nas noites brilhantes as palavras voavam
E eu via que o céu me nascia dos dedos
E a Ursa Maior eram ferros acessos
Marinheiros perdidos em portos distantes
Em bares escondidos em sonhos gigantes
E a cidade vazia da cor do asfalto
E alguém me pedia que cantasse mais alto

Quem me leva os meus fantasmas
Quem me salva desta espada
Quem me diz onde é a estrada

Aquele era o tempo em que as sombras se abriam
Em que homens negavam o que outros erguiam
Eu bebia da vida em goles pequenos
Tropeçava no riso abraçava venenos
De costas voltadas não se vê o futuro
Nem o rumo da bala nem a falha no muro
E alguém me gritava com voz de profeta
Que o caminho se faz entre o alvo e a seta

Quem me leva os meus fantasmas
Quem me salva desta espada
Quem me diz onde é a estrada

De que serve ter o mapa se o fim está traçado
De que serve a terra à vista se o barco está parado
De que serve ter a chave se a porta está aberta
De que servem as palavras se a casa está deserta

Quem me leva os meus fantasmas
Quem me salva desta espada
Quem me diz onde é a estrada

Composto e escrito por Pedro Abrunhosa e assinado por baixo por mim.

Maria João F.

 

publicado por mulheresforadehoras às 11:44
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 15 de Maio de 2007

Sonhadora

Quando pequenina nas noites de trovoada seca, lá para as bandas da Guine, adormecia contando os anjos que atravessavam as frestas das janelas. Os anjos eram muitos nesses tempos de guerra. Contava-os com a fé de que eles finalmente dessem por ela, mas era em vão, eles viviam numa dimensão diversa da humana e bem vistas as coisas a criança também.

Maria João F.

publicado por mulheresforadehoras às 22:23
link do post | comentar | favorito
|

Agradecimentos

Hoje, por nenhum motivo especial, quero agradecer...

Àquela que esteve sempre presente,

Que nunca me virou as costas

Que me limpou as lágrimas de riso e de tristeza.

A que me deu ombro quando precisei,

Que me ofereceu os braços para me aninhar

A que me acompanhou nas minhas loucuras

Sem uma palavra de critica

Àquela que fez de mim aquilo que eu sou hoje (para o bem e para o mal)

 

Que me desculpem os restantes (que estão sempre no meu pensamento)

Mas hoje eu quero agradecer à pessoa mais importante da minha vida ...

EU

 

Ana

publicado por mulheresforadehoras às 14:29
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Certezas absolutas - Linhagem materna

Amo a expressão “filho da minha alma”, avanço que a uso com muita propriedade com o meu filhote, principalmente no momento consagrado ao choco antes dele adormecer. O digo de uma forma redonda, saboreando a força daquela verdade perfeita.  Ele é seguramente filho da minha alma, geneticamente o pai contribui-o com 50%, isso dou de barato as provas cientificas são inquestionáveis,  mas quanto a essência da alma, não ouve fusão alguma, ela veio inteirinha de mim, disso não tenho duvidas e não estou aberta a discussões teológicas, fui um caso de produção de alma independente.

 

Maria João

 

 
publicado por mulheresforadehoras às 12:06
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

.Contador

Condos
Cell Phone Family Plans
blogs SAPO

.subscrever feeds