Um blog escrito por três mulheres, funciona como espaço para catarse, debate e exposição de pensamentos soltos.

.posts recentes

. Pó vivo!

. As duas Casuarinas - Cont...

. As duas casuarinas

. Isso não importa

. Profecia Familiar - Bem q...

. Noticia de ultima hora - ...

. Tai

. Romantismo masculino/Toda...

. Ser inebriante portuga

. Quem tem uma Tia assim nã...

.arquivos

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

Sábado, 11 de Outubro de 2008

Matrioshkas

 

Começou a contar com os dedos da mão e fez uma rápida contagem mental dos homens que foram seus. A conclusão era absurda, todos eram clones uns dos outros, estilo bonecas folclóricas russas; ocos, adornados com cores apetecíveis e igualitos, um tédio. E bem vistas as coisas nenhum homem tinha sido seu; eram todos de si próprios ou melhor dizendo de ninguém pois invariavelmente nadavam no limbo do seu auto desconhecimento. Depois passou à contagem do número de dias que faltavam para ir de ferias e o mundo passou a fazer sentido bem como o sistema decimal.
 
Maria João
publicado por mulheresforadehoras às 22:42
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Anónimo a 15 de Outubro de 2008 às 20:11
Evitou o suspiro, como quem desiste de olhar para trás após dobrar a esquina. Lembrou-se de esperar. Repetiu os passos até ao fim da avenida, seguindo com o instinto os olhares assustados iluminados pela pálida luz dos tabliers. Lembrou-se de esperar. Atravessou a estrada, evitou os olhos incómodos de quem o vê como um objecto, antecipou o arame cortado e entrou na escuridão, por entre os contentores. Desistiu de esperar. Avançou por entre as enormes caixas de metal, roçando a pressa pela ferrugem. Passou a língua pelos lábios e sentiu algum sal. Não quis esperar. Passou a mão pela testa, sentindo-lhe frio e calor ao mesmo tempo. Sentia-se livre naquele labirinto de formas e sombras, por onde vagueava aos ziguezagues, numa linha recta até ao rio. Preferiu ignorar a espera e antes de lhe ver o rosto, beijou o ar morno da noite.
De mulheresforadehoras a 15 de Outubro de 2008 às 21:09
Descobria essa escrita em 1000, o teu anónimo trás a assinatura, as impressões digitais. Obrigada pelas lindas palavras...já tardavas amiguinho
De Anónimo a 16 de Outubro de 2008 às 18:12
"Amiguinho"... eis uma palavra que é dificil de lidar... deve ser do "inho"...
De mulheresforadehoras a 16 de Outubro de 2008 às 19:40
Desculpa o "inho" é dito para colocar o acento no carinho, mas mudo para amigão e fica rematado...:-)

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

.Contador

Condos
Cell Phone Family Plans
blogs SAPO

.subscrever feeds