Um blog escrito por três mulheres, funciona como espaço para catarse, debate e exposição de pensamentos soltos.

.posts recentes

. Pó vivo!

. As duas Casuarinas - Cont...

. As duas casuarinas

. Isso não importa

. Profecia Familiar - Bem q...

. Noticia de ultima hora - ...

. Tai

. Romantismo masculino/Toda...

. Ser inebriante portuga

. Quem tem uma Tia assim nã...

.arquivos

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

Quarta-feira, 13 de Maio de 2009

Gadan, honbak sinapur karang e um pouco de bitang bahabur

É o que dá ter a mania que sou uma gaja culta e adormecer, após ter lido em apneia, “Sinto Muito” de Nuno Lobo Antunes.

Anda uma pessoa a fazer workshop de plagi e tritik, realizando lenços absolutamente fantástico, obras de arte (o digo sem modéstia…que se lixe esse atributo às 5 da manhã) de padrões coloridos combinando cores quentes - amarelos fogosos e laranjas radiantes. A alinhar chakras através da técnica milenar do Reiki, ter ares de ser absolutamente Zen, diria mesmo a reencarnação de Buda na terra (apenas com formas mais curvilíneas e lights). Para acordar de madrugada com um tremendo de um pesadelo, ficando com os olhos abertos que nem pratos de sopa, qual bicho do mato à atalaia de barulhos estranhos como o metafísico roncar do vizinho, o puxar do autoquelismo da estratosfera ou o ruído de um carro não puxado por uma entidade divina, Zeus por exemplo (bem vistas as coisas habita mais perto de mim do que um Deus Oriental) mas por um funcionário câmarario…
A gata, aqui ao meu lado, não me deixa escrever, pula para cima do teclado, dá turras nos meus braços, acha que acordei para lhe dar mimo, é uma lírica como a dona. A noite está agradável, fazia sentido ir para a varanda e fumar um cigarrito, tinha o seu quê de poetico, mas não fumo nem nunca fumei. A ideia de beber um copo de licor também não era mal tirada, mas também não o tenho em casa. Opto por um copo de leite morno e uma torrada.

Vou pegar num pano de seda selvagem e bordar motivos complicados vindos de Java – Gadan, honbak sinapur karang e um pouco de bitang bahabur. Escrever estas palavras a que o incauto leitor não vai perceber nepia fez-me sentir subitamente mais calma, se calhar existem lugares seguros nas palavras que só eu sei decifrar, eu e os javaneses (uma comunidade restrita por tanto).
Maria João

publicado por mulheresforadehoras às 05:36
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Sabina a 13 de Maio de 2009 às 13:09
Eu percebi apenas a parte do copo de leite e torradas. Ganda noia às 5h da manhã!!
Não pertenço a essa comunidade restrita, portanto!
De mulheresforadehoras a 13 de Maio de 2009 às 14:29
Com és uma querida Sabina entre copos eu te explico tudo acerca da milenar tecnica de plagi e tritik, e dialecto javanes...dá sempre jeito nas alturas de duvidas existênciais.
Maria João

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

.Contador

Condos
Cell Phone Family Plans
blogs SAPO

.subscrever feeds