Um blog escrito por três mulheres, funciona como espaço para catarse, debate e exposição de pensamentos soltos.

.posts recentes

. Pó vivo!

. As duas Casuarinas - Cont...

. As duas casuarinas

. Isso não importa

. Profecia Familiar - Bem q...

. Noticia de ultima hora - ...

. Tai

. Romantismo masculino/Toda...

. Ser inebriante portuga

. Quem tem uma Tia assim nã...

.arquivos

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

Quinta-feira, 14 de Maio de 2009

Memória emocional - o mundo pelo nome dos afectos

Num canteiro cuidado, lindas flores brancas, jarros imaculadas, perfeitos, pincelados de gotículas de água que os fazem brilhar perante a leve luz do anoitecer. O corpo reage no despertar da memória da ausência, não sente frio nem calor apenas o acordar de sensações, momentos, lembranças perdidas num baú.

 

- Filhote a minha avó casou-se levando um lindo bouquet de jarros brancos. Seus olhos eram da tonalidade desses caules. Ela cheirava sempre, mas sempre bem, odor de flores e erva molhada! O cabelo muito bem arranjado, completamente branco, emanava uma suave e calma luminosidade ao cair da noite. A mãe não sentia angustia quando caía a noite e estava junto dela. Sabes, tenho saudades!
- Queres que eu tire um jarro, colocamos num vaso em casa?
- Filhinho, quero apenas que os jarros passem a chamar-se de Avó Luisa, pode ser?
- Pode mãe, passaram a ser, já o são, não te preocupes!
 
Maria João
publicado por mulheresforadehoras às 11:54
link do post | comentar | favorito
|
32 comentários:
De auxiliar de memória a 14 de Maio de 2009 às 16:41
Reclamo a colocação de post comemorativos dos aniversários deste blog!
Já está em falta o de 2007 e o de 2008!
Independentemente das reconfigurações do blog, pensei que três mulheres que supostamente tanto ligam a datas, especialmente quando "alguém" se esquece delas (as datas) fizessem sobressair os aniversários do blog! Não é para todos... , melhor, todas, 3 anitos...
Reservo as felicitações para o momento certo!
Beijinhos!!!
De Gastão a 14 de Maio de 2009 às 20:31
Maria João não percebo estas coisas sem nexo, deves ser um pessoa muito carente e com vários problemas. Desculpa se estou errado, mas é a minha opinião.
De mulheresforadehoras a 14 de Maio de 2009 às 22:31
Caro Gastão talvez escreva coisas sem nexo, diria mesmo talvez viva num mundo sem nexo visto o que escrevi ser um relato fiel de um episodio que vivenciei ontem. Talvez renomear as coisas seja algo louco, talvez acreditar que assim, num simples jarro eu imortalizo junto do meu filhote a minha querida avó Luísa, seja algo absolutamente lunático…mas que queres os seus olhos eram verdes como o caule dessa flor, o seu aroma era igual, e até na sua posse eram idênticas, direita, recta e segura, posso te falar da cor branca dos seus cabelos e a saudade que tenho dela, e que nesta época os jarros desabrocham e essa saudade aumenta e dói mas me completa…não sei entendes? Não me quero normalizada como uma maça golden de um hipermercado, eu sou assim, para ti sem nexo e carente. Para o meu filhote um porto seguro e um colo incondicional repleto de ternura.
“Na terra dos sonhos, podes ser quem tu és, ninguém te leva a mal
Na terra dos sonhos toda a gente trata a gente toda por igual
Na terra dos sonhos não há pó nas entrelinhas, ninguém se pode enganar
Abre bem os olhos, escuta bem o coração, se é que queres ir para lá morar"
Jorge Palma
Beijos e um ramo de avó Luisa para ti
Maria João
De Gastão a 15 de Maio de 2009 às 21:59
Agora compreendi, eu estou a viver na terra dos pesadelos, diz-me como posso ir morar para essa terra tão bonita. Obrigado pela flores, são lindas. Um beijo
De Sabina a 14 de Maio de 2009 às 23:04
Maria João

Eu acho delicioso as tuas "coisas sem nexo". Revejo nelas tantas metáforas. E eu gosto de metáforas ;-)
De mulheresforadehoras a 14 de Maio de 2009 às 23:11
Sabina sei que és uma Senhora, e rainha de metaforas. Lleio o teu blog que considero delicioso. Para ti uma flor apenas, uma avó luisa cheia de ternura, que dar e falar de afectos não é motivo de vergonha mas prova de força interior.
De João Santos a 15 de Maio de 2009 às 10:37

..."Quando Ele era jovem (Deus), era duro e alterado por vingança: Ele edificou um inferno para divertir os seus favoritos. Mas, Ele tornou-se velho e mole, terno e compassivo, parecendo-se mais com um avô do que com um pai, mas parecendo-se ainda mais a uma velha avó vacilante. De rosto enrugado, Ele sentava-se ao canto da lareira, preocupado por causa da fraqueza das suas pernas, cansado do mundo, cansado de querer, e acabou por sufocar um dia pela sua tão grande piedade."...
Friedrich Nietzsche

Isto é tradução, que lamento não conseguir melhor.
Bem hajam, as Avós e os Avôs.

João
De mulheresforadehoras a 15 de Maio de 2009 às 11:29
Obrigada pelo presente. João Santos, ofereço-te uma mão cheia de sementes de Avó Luisa, sei que vais cuidar delas com carinho para poderem florir cheias de luz. Sabes a minha avó acreditava em Deus e fazia frente aos padres, era uma mulher e tanto, Andaluza, bonita, decidida, foi muito amada e também amou. Bem, hoje a queria junto de mim, precisava dela, tenho partes dela mas não o todo, não aprendi o suficiente, sou bem menos que ela, menos Senhora…mas mais mulher (coisas dos tempos, teve de ser, estrategias adaptativas).
Maria João
De João Santos a 15 de Maio de 2009 às 11:44
Essa da "estratégia adaptativa" ser sinal dos tempos, está gira! Mas, permite-me complementar, ao referir que são estratégias adaptativas de e em todos os tempos. Mal de nós, se não nos conseguirmos adaptar às diferentes situações com que a nossa vida, nos seus diferentes tempos, se depara.
João
De mulheresforadehoras a 15 de Maio de 2009 às 12:00
Querido João dos Santos, sei que leu o meus post "Senhora", acredite se a minha avozinha lesse tais palavras ficaria zangada comigo...sei que em todos os tempos existem estratégias adaptativas, falo da minha metamorfose, no que era suposto ser e no que sou...é isso!
beijinhos
Maria João
De João Santos a 15 de Maio de 2009 às 12:03
Também Ela, certamente, se adaptaria aos tempos e às circunstâncias, em que esse "post" foi escrito! De certeza que o entenderia, tal como agora, que já o entendeu, só que já não lhe pode dizer isso a si!
João
De mulheresforadehoras a 15 de Maio de 2009 às 12:11
Querido João Santos, senhora de certezas absolutas, ficaria decepcionada comigo, não acredito que ficasse orgulhosa da neta, na realidade acho que sempre me achou de natureza estranha mas ao seu jeito gostava de mim um pouquinho... bem eu a amava! Havia mais netas, com mais qualidades, mais certinhas, menos destemperadas, com modos mais certinhos!
Beijocas
Maria João
De João Santos a 15 de Maio de 2009 às 12:24
Pois, Querida Maria João, acredite que era, na minha opinião, uma neta bem apreciada, nada de natureza estranha. Talvez, por vezes, um pouco incompreendida! Já pensou que "essas" diferenças de tratamento poderiam ser indicadoras do respeito que tinha por si?

João

PS: Agradceço-lhe os dois "Queridos". Muito obrigado!
De mulheresforadehoras a 15 de Maio de 2009 às 12:45
Olha Queridinho João, fizeste-me bem, obrigada. Sabes na epoca dos jarros fico assim, raio de feitio. Será que algum net(a)o um dia me nomeara com um nome de flor?
Beijinhos
Maria João
De João Santos a 15 de Maio de 2009 às 12:59
... Queridinho! Puxa, com o papo cheio, como irei almoçar??? Ahahahahaha.
Desde que seja uma flor pujante, bonita, que cheire bem e que se aguente nas alturas mais difíceis, certamente que não haverá qualquer objecção a essa comparação.
Beijinhos

João
De mulheresforadehoras a 15 de Maio de 2009 às 14:59
Querido João Santos corei, ou melhor dizendo fiquei de várias cores...és um fofinho.
Beijinhos
Maria João
De João Santos a 15 de Maio de 2009 às 15:14
Rubor na face? Bonito! Mas que bela alma é que está desse lado? Jovem, de certeza, pois se não o fôr de idade, de espírito, é inquestionável! E quando, como hoje, está com o humor em cima, imparável! Bem, e daqui a pouco, eu é que ainda pareço um arco-iris!!!

Posso mandar beijinhos???

João
De mulheresforadehoras a 15 de Maio de 2009 às 15:19
És mesmo um doce, jovem não sou em absoluto, mas bem vistas as coisas como nasci com 100 anos tenho rejuvenescido a olhos vistos.
Pode pois dar beijinhos, muitos que quem é feita de afectos esta sempre carente :-) Beijocas de volta.
Janica Cebola (para os amigos)
De João Santos a 15 de Maio de 2009 às 15:29
Então, beijinhos a caminho! E também alguns mimos!
E agradeço ainda a atenção e carinho dispensados!
Eu mimo quem me mima!

Beijinhos

João
De mulheresforadehoras a 15 de Maio de 2009 às 15:45
Se mimas quem te mima mostras uma elevada saude mental, já mimei quem não me mimou...tipo atirar mimo ou perolas a ...sei lá :-)
Muito miminho, muito mesmo, que mimo nunca estragou ninguem.
Maria João
De mulheresforadehoras a 15 de Maio de 2009 às 15:50
Bem!!





Zelia
De João Santos a 15 de Maio de 2009 às 15:53
Mas mimar, também é um gosto e um prazer. A reciprocidade do mimo, é que é variável. Como em tudo na vida, também é preciso ter aí um pouco de sorte! E estragar, não estraga, mas pode criar maus hábitos e deixar-nos com défice, não democrático ( como referem os entendidos) mas de ... miminhos!!!

João
De João Santos a 15 de Maio de 2009 às 15:56
...
Relembro a ausência de feridas narcísicas!!!
Eheheheheh

De mulheresforadehoras a 15 de Maio de 2009 às 16:07
"Défice não democrático de mimos" gostei do conceito, quanto a falha narcisica acho que quem a tem sou eu (acontece...e a escondo com ataques de Dama ofendida). Quanto a mim, asseguro que o que me der receberá sempre a dobrar, sou uma generosa espalhafatosa, dada a exageros, diria mesmo um pote de mel (não se sinta pegajento...não é necessário eheh).
Beijinhos Primaveris e mimos açucarados
Janica
De João Santos a 15 de Maio de 2009 às 16:18
OK!
A questão da falha narcísica, refere-se ao comentário (sem melindre) feito pela sua amiga, com 3 pontos de exclamação, entre dois comentários entre nós. creio ter sido ela, um dia, a referir-se a isso.
Eu, vou tentar não me sentir um Urso Poof!!! esse sim, declaradamente, adora mel, e enfia-se dentro do pote! Ahahahaha

Beiijinhos

João

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

.Contador

Condos
Cell Phone Family Plans
blogs SAPO

.subscrever feeds