Um blog escrito por três mulheres, funciona como espaço para catarse, debate e exposição de pensamentos soltos.

.posts recentes

. Pó vivo!

. As duas Casuarinas - Cont...

. As duas casuarinas

. Isso não importa

. Profecia Familiar - Bem q...

. Noticia de ultima hora - ...

. Tai

. Romantismo masculino/Toda...

. Ser inebriante portuga

. Quem tem uma Tia assim nã...

.arquivos

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

Segunda-feira, 15 de Março de 2010

Adormecer - Escrito pela minha Tia Isinha

Respirei fundo, tomei balanço e avancei. Na mão direita fraldas secas, limpas, brancas, ofegantes por cumprirem a sua missão. No braço esquerdo, acocorado entre a anca e o cotovelo, um pequeno fardo risonho, gorducho, sorridente, vivo, desperto e com um ano de vida. Era um final de tarde quente, sufocante, com a luz do sol ainda toda pronta e eram cerca das nove horas da noite. Meu objectivo pôr a pequerrucha a dormir, sua determinação estender a noite pela tarde que não se queria fazer noite.
Entramos no quarto. O calor, aí mais intenso, rodeou-nos, eu diria deu-nos um enorme abraço. A luz entrava pela persiana meio corrida. Era preciso fazer noite. Fechei a porta, corri o resto da tela entreaberta e esperançada saudei o calor para ficarmos de pazes feitas. Deitei, então, aquele pacote reluzente, que trajava apenas uma camisola de alças para além da fralda obrigatória, e soltei os primeiros acordes da canção de embalar ou que eu presumia tinha efeitos soporíferos: " O meu chapéu tem três bicos, tem três bicos o meu chapéu..." Do escuro próximo escutei então: " O que é bicossss? "
" Bicos são pontas! " E recomecei. Na penumbra o calor zurzia ao de leve a minha mão que compassadamente acompanhava a canção com pequeninos tapas de embalar no corpinho da bébé.
" Se não tivesse três bicos... " " O que é bicossss? ", a pergunta repetiu-se. " Bicos são pontas" e continuei " o chapéu não era meu. " Voltei ao princípio da canção, tive as mesmas perguntas, dei as mesmas respostas e de novo ao princípio e de novo as perguntas e de novo as respostas. Então, um silêncio absoluto. Adormeceu, suspirei. Ajeitei a fralda em gesto de despedida até amanhã e verifiquei que estava molhada. Fraldas molhadas não, era um postulado daquela congregação de mulheres sábias. Acendi a luz. Fui saudada por dois olhos enormes, um sorriso largo e o som antigo daquele entardecer: " O que são bicossss? "
Passadas duas horas, vários mini-chichis, cinco mudas de fraldas, saí do quarto, missão cumprida, a João a dormir e, na minha cabeça, três bicos a crescer um de calor, um de cansaço e um de muito carinho.

Tia Isinha

 

Sei, e é uma verdade absoluta, que foi nesse colo ancestral que nasceram as sementes da minha força.

Verdade sou uma sobrinha chatinha, com nariz chatinho e pés chatos, mas pelo que conta: Amo-te muito!

Maria João

 

publicado por mulheresforadehoras às 14:35
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

.Contador

Condos
Cell Phone Family Plans
blogs SAPO

.subscrever feeds