Um blog escrito por três mulheres, funciona como espaço para catarse, debate e exposição de pensamentos soltos.

.posts recentes

. Pó vivo!

. As duas Casuarinas - Cont...

. As duas casuarinas

. Isso não importa

. Profecia Familiar - Bem q...

. Noticia de ultima hora - ...

. Tai

. Romantismo masculino/Toda...

. Ser inebriante portuga

. Quem tem uma Tia assim nã...

.arquivos

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

Terça-feira, 4 de Maio de 2010

Saberes da Agricultora, jardineira e entendida em assuntos de pousio

Tudo aconteceu em princípios de Maio. Se bem me lembro no dia dedicado a Santo Atanásio.

Se a memoria não me escapa, a claridade já ia faltando, o relógio da igreja assinalava umas 19 horas sem precisão policial.

Estava feliz, tinha terminado sem auxílio de outros braços, as sementeiras e as plantações de girassol e feijão. Dedicava-me no momento a cuidar das roseiras, por conta dos males do oídio, pulgão e piolho. Contudo tinha a cabeça em debandada, queria iniciar a tosquia das ovelhas da vizinha.

Quando o carteiro, senhor Justino, mais velho que a penicilina me entregou em gestos de Manuel de Oliveira, uma carta. Tratava-se de um postal muito completo, todo janota, musical e com aroma, coisa nunca antes vista nas minhas bandas, descoberta recente. Artefacto bem pensada por algum engenhocas da Capital.

Os seus dizeres apesar de terem letra floreada, tinham um conteúdo avisado. Pronunciavam sobre os infortúnios da terra: carbúnculo, ataque do míldio, geadas e outros males quejandos, entre eles a fatídica praga de gafanhotos - no Egipto e na terra de Lardosa. Eram um folheto publicitário sobre a calda bordalesa - para aplicar no batatal para evitar o terrível ataque do míldio - embelezado com alguns ensinamentos sobre a importância do pousio do solo.

Não coloco, cale e sulfato de cobre na minha terra, muito menos adubos fosfatos, potássicos e compostos. Elas têm fontes de águas cristalinas, inúmeros chafarizes e tanques para matar a sede de animais e homens. Quanto ao pousio, não sou dada a gestos contemplativos que o tempo é escasso e a vida é uma passagem.

Saliento que ao contrário das outras gentes não castro os porcos, os cordeiros e muito menos os gatos. Gosto de os ver a pular de telhado em telhado, partindo telhas e miando á lua.

Subi a encosta, noite fora, lavrei e limpei o meu pinhal. Nada como uma noitada para forragem dos pensamentos.

 

Maria João

 

 

publicado por mulheresforadehoras às 11:04
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

.Contador

Condos
Cell Phone Family Plans
blogs SAPO

.subscrever feeds