Um blog escrito por três mulheres, funciona como espaço para catarse, debate e exposição de pensamentos soltos.

.posts recentes

. Pó vivo!

. As duas Casuarinas - Cont...

. As duas casuarinas

. Isso não importa

. Profecia Familiar - Bem q...

. Noticia de ultima hora - ...

. Tai

. Romantismo masculino/Toda...

. Ser inebriante portuga

. Quem tem uma Tia assim nã...

.arquivos

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

Quinta-feira, 10 de Fevereiro de 2011

As duas casuarinas

Nasci nas solidões de areia, junto ao Mar, coroadas de Nuvens e de Vento. Cresci no meio do sibilar do Vento e das Areias, do marulhar das Águas, à luz intensa do Sol e à luz meiga do Luar...

 

 

 

 

 

Naquelas manhãs de Vento Norte havia mais que o murmúrio das vagas do Mar. Mais perto, junto à casa da Menina, ouvia-se um rumor diferente: a voz da Casuarina (A Casuarina ficava no Norte da casa e era a única árvore do Deserto - única e muito amada).

Quando acordava com o seu lamento - um gemido embalador e triste - a Menina sorria e tinha vontade de chorar: a Casuarina dizia-lhe qualquer coisa. Mas o que é que dizia a Casuarina? Era uma voz tão diferente das vozes que conhecia!...

A Menina levantava-se, afrontava o Vento forte do Deserto e ia ter com ela. Olhava, com estranheza, para aqueles ramos que se torciam com o Vento; e aquelas agulhas verdes a tremer... (- "Ela sente!...").

Menina de Mar e Deserto não se cansava de olhar para a sua árvore. Orgulhava-se dela (mais ninguém tinha nenhuma!), queria-lhe bem; mas a árvore tinha qualquer coisa de estranho que fazia doer: aquela Casuarina era a presença inquietante de um mundo ausente e desconhecido. Fazia ter saudades e receios não se sabia de quê!

 

 

 

 

ZeliaN

publicado por mulheresforadehoras às 17:36
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

.Contador

Condos
Cell Phone Family Plans
blogs SAPO

.subscrever feeds