Um blog escrito por três mulheres, funciona como espaço para catarse, debate e exposição de pensamentos soltos.

.posts recentes

. Pó vivo!

. As duas Casuarinas - Cont...

. As duas casuarinas

. Isso não importa

. Profecia Familiar - Bem q...

. Noticia de ultima hora - ...

. Tai

. Romantismo masculino/Toda...

. Ser inebriante portuga

. Quem tem uma Tia assim nã...

.arquivos

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

Sexta-feira, 11 de Fevereiro de 2011

As duas Casuarinas - Cont.

Mas havia também um tronco...O tronco de uma Casuarina que não soube viver no deserto. Ficava na direcção da outra, mas mais longe, a caminho da praia.

Era desse tronco que a Menina gostava mais. Estava sempre ao alcance do seu olhar. E então, nos dias de garroa, quando ficava horas esquecidas atrás das vidraças, que impressão lhe fazia aquele tronco nu, sozinho no meio do areal! Pobre tronco! Que desamparo! (-"Deve sentir frio!")... A Menina tinha pena dele.

E ao cair da tarde, quando ele começava a tornar-se cada vez mais negro, cada vez mais só, sentia uma inexplicável tristeza e ficava, muitas vezes, encostada a ele, a ver o Sol desaparecer no Mar da Contracosta.

Mas à luz do Sol a Menina gostava muito daquele tronco e tinha para ele ternissímas delicadezas que a Casuarina grande nunca experimentava. Ele queria que o respeitassem e o tratassem tão bem como à Casuarina. Às vezes trazia-lhe um bocadinho de água (-"Tás cheiinha de sede!").

Um dia de vento cortante vestiu-lhe um trapo. Até os negros se riam de tais cuidados!

-Minina, isso stá moreu.

-Não morreu nada. Se morresse não estava em pé!

Poisava-lhe a mão, num jeito maternal e punha-se a procurar-lhe algum rebento...

Tinha esperança de que o tronco desprezado viesse a tornar-se tão grande como a Casuarina... 

 

 

ZeliaN

publicado por mulheresforadehoras às 12:26
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

.Contador

Condos
Cell Phone Family Plans
blogs SAPO

.subscrever feeds