Um blog escrito por três mulheres, funciona como espaço para catarse, debate e exposição de pensamentos soltos.

.posts recentes

. Pó vivo!

. As duas Casuarinas - Cont...

. As duas casuarinas

. Isso não importa

. Profecia Familiar - Bem q...

. Noticia de ultima hora - ...

. Tai

. Romantismo masculino/Toda...

. Ser inebriante portuga

. Quem tem uma Tia assim nã...

.arquivos

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

Terça-feira, 31 de Maio de 2011

Pó vivo!

Antes de sair da cama, a Menina já sabia se tinha Sol ou cacimbo. O Sol não esperava que lhe abrissem a porta para entrar! Apertava-se, para caber, e entrava pelas frinchas, muito estreitinho e doirado.

Não vinha só; trazia consigo muitos milhões de pequeninos seres misteriosos que sabiam fazer habilidades e davam que pensar.

A Menina gostava de os ver: pendurados no ar, sem se agarrarem a nada, mexiam devagarinho, como quem se aquece ao sol! Não eram todos iguais: havia-os do tamanho de uma ponta de alfinete e outros chegavam a ser tão compridos como a unha do seu dedo mindinho; uns eram direitos, outros curvos. Mas eram todos magrinhos e pareciam todos feitos de teias de aranha.

O mais espantoso é que eles sabiam brincar: se a Menina chegava ao pé deles e lhes soprava, eles fugiam e escondiam-se no escuro, para logo voltarem, irrequietos, a desafiá-la. se agarrava numa almofada e lhes batia, apareciam muitos outros (que vinham defendê-los, certamente).

De onde vinham aqueles bichinhos? A Menina não sabia o que escolher: era bom pensar que eles vinham lá de fora, com o Sol, cheios das novidades da manhã; mas quem sabia se eles não estavam lá dentro, espalhados pelo quarto todo e corriam para o Sol, logo que ele entrava?

De onde quer que viessem, do Sol é que eles gostavam. Do Sol...e da Menina. Se não fossem amigos, não vinham brincar assim diante dela, mesmo a desafiá-la para brincar também. Se não fossem amigos, eles deixavam-na entrar na brincadeira? Concerteza que não.

Eles vinham até de propósito para a Menina! Vinham de toda a parte, de fora e de dentro de casa, e esperavam que ela acordasse para brincarem no raiozinho de Sol...

Mas seriam mesmo bichinhos? Não; os bichos, por mais pequenos que fossem eram maiores. Aquilo era outra coisa com vida, sem ser bicho.

- Papá, quem são estas coisinhas que andam a passear ao Sol, dentro de casa?

Era pó! Primeiro, a Menina admirou-se muito. O pó que ela conhecia costumava estar parado em cima das coisas e só saia quando se limpava. Mas logo descobriu que havia dois pós: o pó morto, que estava em cima das coisas, e o pó vivo, que andava no ar e gostava de se aquecer ao Sol e de brincar com ela...

Por isso , ás vezes, quando estava sozinha e aborrecida, a Menina chamava:

Pó! Vamos brincar!

Fechava uma janela e, no raiozinho de Sol que cabia na frincha, o pó começava a brincadeira.

 

 

Pó vivo, que brincaste comigo em tantas manhãs de Sol! Qundo foi que tu morreste, Pó?

 

 

 

 

 

ZeliaN

publicado por mulheresforadehoras às 15:34
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

.Contador

Condos
Cell Phone Family Plans
blogs SAPO

.subscrever feeds