Um blog escrito por três mulheres, funciona como espaço para catarse, debate e exposição de pensamentos soltos.

.posts recentes

. Pó vivo!

. As duas Casuarinas - Cont...

. As duas casuarinas

. Isso não importa

. Profecia Familiar - Bem q...

. Noticia de ultima hora - ...

. Tai

. Romantismo masculino/Toda...

. Ser inebriante portuga

. Quem tem uma Tia assim nã...

.arquivos

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

Segunda-feira, 27 de Novembro de 2006

Best female actress: and the Oscar goes to...palmas e ovações

Na Igreja, trajando uma roupinha recatada, rezou fervorosamente uma panóplia de Pais-nossos e Aves Marias, ajoelhou-se, fez o sinal da cruz variadas vezes, repetiu sem falhas as palavras da homilia, comungou com ar de uma beatitude irrepreensível - se não fosse ter uma conta razoável de pecados que não se arrependia, podia se dizer que era uma perfeita candidata à canonização. Na saída deu uma festa a um idoso e uma esmola avultada a um pedinte, apesar da grandiosidade dos gestos, não lhe garantiram a nomeação ao prémio Nobel da paz e contra a fome no mundo. Assim sendo, não tinha outro remédio, que continuar a trabalhar para receber o Oscar de best female actress. A esperança é a ultima que morre.

Maria joão F.

publicado por mulheresforadehoras às 09:26
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De The Economist a 27 de Novembro de 2006 às 20:24
Para um materialista, não dialécitco e liberal como eu, os católicos são fascinantes e até me causam inveja.

Deve ser óptimo pecar e ter aquele sentimento de culpa a seguir, principalmente se forem nios meus dois pecados preferidos: a gula e a luxúria.

Para eles o prazer existe em certa medida na antecipação da penitência para limpar a culpa que a precede e se instala logo ao seguir ao acto, seja ele de gula e/ou de luxúria. Se forem os dois ao mesmo tempo é o cume da perdição.

E se houver um Deus castigador, mas não muito, que se encarrega de lhes enfernizar a vida, toda a situação deve adquirir um colorido ainda mais interessante.

Mas quando se acredita no materialismo e, mais importante ainda, na liberdade individual, resta viver com o prazer (ou a falta dele) das situações e respectivas consequências. Não é tão divertido, mas não deve ser tão complicado como viver com o Auditor Divino.

Mesmo assim, que a luxúria e a gula nunca deixem de existir e que todos nos mantenhamos livres para sempre.



De The Economist a 27 de Novembro de 2006 às 20:30
Deve ler-se "dialéctico", "os meus dois pecados (...)" e "inferniza a vida".

Desculpem as gralhas,mas é do sono pós jantar e desta maldita chuva que nos faz mergulhar numa moleza terrível.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds