Um blog escrito por três mulheres, funciona como espaço para catarse, debate e exposição de pensamentos soltos.

.posts recentes

. Pó vivo!

. As duas Casuarinas - Cont...

. As duas casuarinas

. Isso não importa

. Profecia Familiar - Bem q...

. Noticia de ultima hora - ...

. Tai

. Romantismo masculino/Toda...

. Ser inebriante portuga

. Quem tem uma Tia assim nã...

.arquivos

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2007

Pigmalião e a sua Galatéia

Passados muitos e muitos anos reencontraram-se. Ela tinha vaticinado que ele viria a ser sociólogo, psicólogo ou antropólogo, enganara-se era engenheiro, sorria menos e tinha um olhar triste. Mantivera-se igual, nem uma ruga ou um cabelo branco para marcarem o passar dos anos, como de resto é cisma nos orientais. Foi em Macau que o conheceu, tinha no sangue uma mistura bem aventurada, era de natureza tímida e reservada, possuía um sorriso aberto com dentes certinhos. Achara-o bom demais para ela e em bom abono da verdade o era seguramente. Deixara um namorado em Portugal, um surfista cheio de pinta e muita parafina na cabeça, prometera esperar por ele durante um ano, com a humidade do ar a rondar os 88% tal rapidamente caiu no esquecimento, já na altura ela tinha queda para pecadora e por conta dos seus olhos rasgados e jeito brando por ele se apaixonou.

Ele apresentou-lhe Palalagui, Saint Exupéry, Desmond Morris, ela deu-lhe pouco em troca; a sua fixação adolescente por David Bowie, poemas de Florbela Espanca declamados com maneirismos trágicos e a sua recente conquistada lealdade de eterna raposa.

Pelos olhos do Chefe da tribo Tiavea de Tuiane, e munidos de instrumentos teóricos de zoologia passearam pelas ilhas da Taipa e Cloane. Mochilas às costas calcorrearam ruas, templos, espreitaram por entre portas. Riam muito e tinham pouco siso, eram papa-léguas, o mundo os intrigava.

Ela foi para a área das ciências sociais, colecciona desde então pedrinhas para marcar datas importantes, espreita sempre as portas entreabertas, é uma cusca militante, presta culto a vários deuses e tudo, tudo graças a ele.

Pena, que volvidos anos, ele seja engenheiro e sorria menos e tenha um olhar triste. Pena que Pigmalião não reconheça a sua Galatéia.

Maria João F.

 

publicado por mulheresforadehoras às 15:04
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De TheEconomist a 22 de Fevereiro de 2007 às 16:00
O que é pena é realmente que uma certa alegria de viver se transforme mais tarde numa sucessão infindável e contentinha de dias iguais.

Qual é o remédio para isto? Ou uma pessoa tem uma profissão de risco muito cool como astronauta, agente secreto, piloto de F16 ou muito criativa como publicitário, cineasta, actor, escritor, ou então, por fim, não lhe resta mais do que ter mesmo uma sucessão infindável e contentinha de dias iguais.

Neste último caso, é melhor mesmo ter um bom passatempo e esperar que na próxima vida lhe calhe um F16 para pilotar. Deve ser o máximo sentir aqueles Gs todos contra o corpo.
congelado

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds